Minha casa é o mundo
Nao tem porta e nem janela
É uma casa sem conforto , mesmo assim
Eu gosto dela

A parede é a serra ,onde está dependurado
Um quadro da nauturesa ,que por deus foi desenhado
Meu tapete é a grama , tenho o céu como telhado
De dia tem sol que brilha , a noite céu estrelado
Bem distante do asfalto , vou vivendo sossegado

O perigo não me assusta , para traz não dou um passo
Duas feras mato a bala , uma só eu vou no braço
Pra ter paz tem que ter guerra , precisando guerra eu faço
Para o medo e a covardia eu não vou deixar espaço
Viva meu brasil amado , eu estou de sentinela
Sendo filho desta terra , morro lutando por ela

O conforto da cidade , é coisa que não me importa
Minha luz é deus quem manda , quero ver quem é que corta
Eu sou igual um rochedo , onde a bala bate e volta
O punhal que tem dois cortes, batento no peito entorta
Eu nunca fui empregado , eu mesmo sou meu patrão
Vivo alegre cantando nas veredas do sertão
Sou filho da liberdade que matou a escravidão

O perigo não me assusta , para traz não dou um passo
Duas feras mato a bala , uma so eu vou no braço
Pra ter paz tem que ter guerra , precisando guerra eu faço
Para o medo e a covardia eu nao vou deixar espaço
Viva meu brasil amado , eu estou de sentinela
Sendo filho desta terra , morro lutando por ela

Vídeo incorreto?