Quase caiu na armadilha/ Boiadeiro de palavra
Porque o pai da ricaça/ Uma surra lhe jurava
Certo dia distraído/ Passeando pela praça
Entrou no bar dos granfinos/ Pra tomar uma cachaça.

Nesse dia o diabo/ Entrou na casa da reza
Mas quando um homem não deve/ Sua consciência não pesa
Ali estava o granfino/ Em uma mesa sentado
Quando viu o boiadeiro/ Caminhou para seu lado.

Foi dizendo para o moço/ Hoje chegou o seu dia
Agora a história termina/ Do jeito que eu queria
Batendo a mão na cintura/ Arrancou um Parabelo
O granfino e o boiadeiro/ Ali tiveram um duelo.

O cidadão nessa hora/ Veio encontrar a derrota
Numa laçada de reio/ Chegou a virar cambota
Boiadeiro de palavra/ Foi cortando ele na guasca
Cada lambada que dava/ Do couro tirava lasca.

O granfino derrotado/ Que nem galo sem poleiro
Era o pai da ricaça/ Que casou com boiadeiro
Ele quis fazer bonito/ Mas o causo ficou feio
Além da filha careca/ O velho dançou no reio.

Vídeo incorreto?