Me conto um pescador que no rio Itararé
Na barranca desse rio mora uma cobra cruel
Essa cobra quando pia tem que ve como é que é
Deixa o povo do lugar tudo de cabelo em pé

Um dia eu fui pescar e levei o zé mané
Vamu nesse tal lugar onde o rio não dava pé
nós topemos com essa cobra nós fizemos maranzé
A cobra quando viu nós de brava ficava em pé

Nós subimos rio a cima remando contra a maré
Essa cobra vinha atrás e dava arrepio até
Eu chamei por todos os santos por São Pedro e São José
E disse pro companheiro vai rezando e tenha fé

Onde o rio fez uma curva eu gritei pro zé mané
Abandonamos a canoa e amoitamos num sapé
A cobra passou direto parecia um Lucifer
Nunca mais nós dois voltamos pra pesca no Itararé

Vídeo incorreto?