Quem é da estrada sabe um dia
Descansar
Já vi de tudo e tudo que vi não há
Lugar mais leve que
Os sonhos que eu sonhei aqui

Vende na esquina galetos e
Almoçar
É mais feliz se ela consegue
Chegar
E vem correndo vem
Esbaforida como que não tem

Vontade alguma daqui se
Afastar
Meu bem, trabalho até faz bem
Branca parece com a casa
Combinar
Vai ver os móveis que combinam

Com você contigo é só meu
Coração
Se é sal a gosto a medida diz
Quais são
E se ficar insosso
Vai nos servir pra variar o
Gosto

Estamos devendo a nossa turma
Um jantar
Paulinho, Andreza, Ju, eu
Posso avisar
Comida a gente faz
Pede pro povo um bocadinho a
Mais

O abajur ligado me faz
Refletir
Talvez a poesia daqui
Seja da gente se querer
Admitir
Fraco, forte, veloz, lendo
Leve, light como o vento

Ah, se é quarta amanhã vamos
Pra lá
Helena chega, a louça fica por
Lavar
Podemos ver um filme
Ou ler um livro hoje você
Define

Eu tô querendo me juntar, o
Pessoal
Vai vir tocar fazer aqui quase
Um luau
Tu se importa amor?
Se esquentar ligo o ventilador

Às vezes deito sinto-me
Comemorar
Mamãe ligou mandou amor
Dá uma vontade de dormir pra
Acordar
Entra o sol me esquenta o
Rosto rindo acordo o corpo
Rindo mais

Vou viajar no mês que vem tem
Show no rio
Paguei as contas de abril
Os nossos quadros parecem me
Acompanhar
Rasga o que não for da gente,
Se puder trago presente

Passei a noite conversando com
Vitão
Homero, china e tocando
Violão
Olha pra mim e veja
Eu fiquei bebo com duas
Cervejas

Sou muito besta para essas
Coisas casuais
Muita bebida, o mulherengo não
Me faz
Nasci pra poesia,
Das sensações, do sol, nasci
Pro dia

Meu corpo inteiro decidiu se
Respeitar
Já sei pra onde eu não vou
Minhas palavras sabem já se
Acompanhar
Cada qual canta no canto o que
Carrega e como corre o seu rio

Com quantos paus se faz um
Barco eu vou dizer
Se mede se o marujo quer se
Conhecer
Se quer o horizonte
Ou uma volta um pouquinho
Defronte

Vídeo incorreto?