De quebrada em quebrada, o boiadeiro vem
recordando a boiada, na poeira da estrada,
saudade de alguém.

O boiadeiro triste sofre como ninguém.
Um passado distante, no são do berrante
chora também.

E guarda por lembrança, ai, do tempo de peão,
companheiro saudoso, a pala de pouso,
o laço e gibão.

E hoje a boiada viaja de caminhão.
E o triste carreiro, peão de boiadeiro,
não tem profissão.

Ó boiadeiro triste, o mundo é memo assim.
A nossa vida passa, é como fumaça,
e tudo tem fim.

Vídeo incorreto?