Paineira velha abandonada
Lá na estrada de meu sertão
Tens uma história de meu passado
Que está guardada no coração
Eu a encontrei eras pequena

Em meio ao mato onde nasceu
Todas as tardes eu a regava
E assim depressa você cresceu.

Paineira velha na sua sombra
Com minha amada fui tão feliz
Colhendo as flores que você dava

Mas o destino assim não quis
E numa tarde você murchou
E o canarinho emudeceu
Fui no seu tronco só encontrei
O nome dela e um adeus.

Paineira velha daqueles tempos
Já se passaram muitos janeiros
Ainda és tão boa tua sombra amiga
Hoje é pousada dos boiadeiros
Já não existe mais o terreiro

E o meu ranchinho cipó cobriu
E a sua casca cresceu de novo
E o nome dela também sumiu.

Paineira velha fiel amiga
Nossos destinos são sempre iguais
Se estou contente você florece

Quando eu padeço suas flores caem
Nascemos juntos paineira velha
Vamos morrer nesta união

De vossos galhos quero uma cruz
De sua madeira quero caixão.

Vídeo incorreto?