Amrita


Deixe-me ouvir esses múrmurios distantes,
essa música nostálgica
Como um néctar sagrado, como um sonho
Deixe-me dormir dentro disso

Por que
o mundo flui contrariamente
sem nenhum esforço?
Pôr do sol
Uma nuvem avermelhada que um dia eu vi
Não pode ficar do meu lado, mas em troca disso...

Se uma chuva prateada começar a cair
Pense que sou eu,
e seque suas lágrimas

As estrela cadentes
que chovem reto devoram
Em teu corpo,
em teus ombros, amrita

Seu coração pode sentir as noites
Quando a terra está chorando
Se suas feridas estão machucando você,
Dispare seu desejo com uma flecha para o céu.

Se uma chuva prateada começar a cair
Pense que sou eu, e pare o tempo

O eco silencioso no outro lado do
horizonte das gotas de chuvas,
Definitivamente,
Naquele dia, amrita

Se uma chuva prateada começar a cair
Pense que sou eu, e seque suas lágrimas

Estrelas cadentes
cascateiam diretamente para baixo
E a chuva que cai sobre você vai virar...
amrita