Tava sentado no coxo
Pondo corda na viola
Quando baixo uma bola
Enorme resplandecente
Eu fiquei tão assustado que a viola até caiu

Quando de dentro surgiu
Um sujeito repelente
Fez uma baita careta,
Que eu julguei ser um sorriso

Não é preciso que se assuste boa agente
Tem um grande desafio no espaço sideral
E o rei mandou lhe buscar por ser um bom concorrente,
Joguei meu chápeu pra nuca e já fiquei meio atrevido

Olhei pro desconhecido já o achei atraente
Pois falou em desafio meu coração sapateia
E a coisa que é mais feia pra mim já fica descente
Peguei as cordas e o pinho pulei pra dentro do disco

E falei para o nanico toque essa coisa pra frente
Vou mostrar como se quebra violeiro marciano
Enquanto isso vai voando que eu adianto o expediente
Acabei de por as cordas e trem já foi pousando

Eu já deci afinando e saudei aquela gente
Na base do recortado comprimentei o chefão
Cantando pra multidão consquistei o ambiente
Começou o tal torneio, só vi viola tinindo

Foi cantando e foi saindo quem não aguentava o batente
Ficou pra me combater só o campeão de marte
Tive que usar muita arte pra não perder pro cliente
Cantei dois dias seguidos com o cabloco me acuando

Mas acabei me safando e saindo pra tangente
Uma moda de abater acabei com o indivíduo
Cantei mais alguns corridos embolas e repente
Dei uns versos de lambuja e passei a mão na taça

Eles não acharam graça mais eu saí sorridente
Saí no rumo da terra como sempre vencedor
Não que eu seja um falador, mas sou forte realmente
A nave voutou pro espaço levando um recado meu

É que eu lembrei de uma moda que o carreirinho escreveu
Diga pro campeão quem falou fui eu
Gato de três cor ainda não nasceu
O que dirá campeão para quebrar eu

Vídeo incorreto?