Tenho um cavalo tordilho, tratado no milho.
Tem peito de aço
Quando eu entro na cidade, eu deixo saudade.
No lugar que paço
Do couro de um boi de rento, tirei quatro tento.
E trancei um laço
O cipó não arrebenta, o matungo agüenta.
Os pialos por baixo

Fui ser peão de boiadeiro, de um fazendeiro.
Muito ricaço
Ganhando muitos cruzeiros, logo meu dinheiro.
Fui guardando os maços
Pra pegar mestiço arisco, minha vida arrisco.
Mas não embaraço
Eu sou peão corajoso, se o boi for teimoso
Eu pego de braço

A filha do meu patrão, era um botão
De uva no cacho
Mostrava delicadeza, essa grande beleza
Com desembaraço
Um dia essa malvada, ao descer a escada
De um lindo terraço
Encostou-me seu rostinho, e com muito carinho
Me pediu um abraço.

Daquele dia em diante, esse lindo semblante
Me trouxe um fracasso
Lacei muita vaca arisca, mas essa mestiça
Me em bramou no laço
Pedi ela em casamento, no consentimento
O velho disse eu faço
Foi a melhor laçada, que das embocadas
Trouxe o cacho cacho

Vídeo incorreto?