Segredos contados às paredes pichadas de branco
Ninguém pode ouvir, a minha voz está vazia
A minha casa ecoa meu ar, e transcreve meu olhar.
O vento que passa pela janela, leva tudo que quero.
E pela porta da frente não entra nada, nem mesmo eu
Estou em silêncio, estou a sós em meio a tantos
Eu ando sobre o chão da minha casa, mas nada acho pra me apoiar
E nem o céu, que um dia foi azul, hoje me alegra, está tão cinza quanto meu olhar
Este dia não está sendo feliz, este meu ar que respiro está tão cheio de nada
que quando tento falar, nada é verdade, é tudo tão...
Às vezes até minha solidão é um plágio de um antigo romance.
A minha cama me conforta, mas nem tanto como um abraço
As flores que tenho na minha sala, não mudam meu ar,
E nem minhas músicas melancólicas me fazem mais chorar
O silêncio me incomoda tanto, que quando falta me incomodo mais...
Nunca quis me esconder assim, só não quero que me vejam assim
Eu nunca fui bom nessa de ser alguém normal, de me calar pro mundo
A gente diz saber mas ninguém sabe mesmo como nos sentimos
Tentamos falar, sempre falhamos...sempre com a mesma cara
Este dia não está sendo feliz, este meu ar que respiro está tão cheio de nada
que quando tento falar, nada é verdade, é tudo tão...
Às vezes até minha solidão é um plágio de um antigo romance.

Vídeo incorreto?