Vacina


O que aconteceu aqui?
O que aconteceu com o fluxo
Descobri que havia raiva
E a vacina aqui sou eu
Além de você, quem mais especulou?
Se é questão de raiva
É preciso que se controle

O que aconteceu aqui?
O que aconteceu com o fluxo
Descobri que havia raiva
E a vacina aqui sou eu
Além de você, quem mais especulou?
Se é questão de raiva
É preciso que se controle

Eu já estou cansado da questão de ofuscar
A voz da minha geração
Que para muitos é vital,
E a minha música como um ritual
da minha garganta para os seus ouvidos
Notas viajam com a borda de um copo
E não joguem, esta calado, largado
Em um canto de suas dúvidas
Temendo que o carrasco,
nuvem escura que o segue,
Em suas duas mãos como um emblema
traz o machado da censura
Verás na primeira brecha minhas palavras
Como flechas que o levam para a sepultura sim eu,
o que te fere nunca morre não,
Orishas Cuba representa o hip hop

Coro

Então se solte, relaxe, já sabe
Pois ao que está feito, peito, bem direto para o fato, fato
Sem censura bebê, se o que você quer
Não me apresse
Não mudo de curso, não Asere
Não me importo se você gosta de mim
e não deveria, porém protesto,
Com a batida no seu pescoço te abato
Assim que é, quê, quê, quê?
O que você acha? o quê? é claro
que eu não vou cantar? o quê?
O que você acha? que não me acontece nada
Eu sou como o companheiro de jake
sangue cor de chocolate Guamá,
E isso começa agora
Suba e pegue a fila, vem aqui no meu trem
Isso é 100%
Continue caminhando ao comando
templo Orishas vêm retumbante,
Para todos esses negros
que estão me escutando
Vem para fila

Coro

Hoje, a vara foi posta tão alta
que aquele que a salta tem fazer como dá,
Com o que tem deixado a pista
do gênio e um Ying de humildade,
Os que são não estão, os que estão não são
Do morro, nem cantam no baixo
Na claridade se vê muito mais
Que no escuro do piano,

As mangas de baixo se acabaram
Suba até a mata que estão madurinhas,
As mangas baratas se acabaram
Suba até a mata não seja tão javali,
As mangas de baixo se acabaram
Suba até a mata que estão madurinhas,
As mangas baratas se acabaram
Suba até a mata não seja tão javali,

Coro

O vento levou o pouco que ficou
Com um suspiro vão e uma nuvem negra,
Que bom que a estou atravessando, continuo
O bom que foi perdido como aquele mendigo
Que se despediu com um adeus de pedra
Já faz muitos anos, que digo