Sou gaúcho velho lá da fora
No rincão da rancharia
Foi onde me criei
Hoje vivo na cidade
Recordando com saudade
De tudo que lá deixei
Como é belo recordar
Como é doce sonhar

Como é belo entardecer
No rincão da rancharia
Quando os montes solitários
Enche a voz de ave maria
Percorrer os verdes campos
Da folgazão da mocidade
Bordados de pirilampos
Nas horas de soledade
Como é belo recordar
Como é doce sonhar

Sentir o cheiro do gado
E das verdes plantações
Ouvir a voz do campineiro
A cantar pelo rincões
E a linda morena astuta
Num ranchinho a suspirar
Ingênua como a matuta
Medrosa como o luar
Como é belo recordar
Como é doce sonhar